segunda-feira, 11 de junho de 2007

VARAL VIRTUAL - DILAN CAMARGO


CHAMEM O POETA

Está torta a reta?

Chamem o poeta.
Não se alcança a meta?
Chamam o poeta.
Querem desvirtuar o asteca?
Chamem o poeta.
A multidão se inquieta?
Chamem o poeta.
A platéia é seleta?
Chamem o poeta.
Algum mal nos afeta?
Chamem o poeta.
O Governo decreta?
Chamem o poeta.
A conta é secreta?
Chamem o poeta.
O tubo não excreta?
Chamem o poeta.
A dama é discreta?
Chamem o poeta.
O ator não interpreta?
Chamem o poeta.
O corrupto se locupleta?
Chamem o poeta.
Não adiantou a dieta?
Chamem o poeta.
Ninguém segue a seta?
Chamem o poeta.
O avô renega a neta?
Chamem o poeta.
O menino caiu da bicicleta?
Chamem o poeta.
Conflito burguês X proleta?
Chamem o poeta.
O lixeiro não faz coleta?
Chamem o poeta.
Não sai a eleição direta?
Chamem o poeta.
Chamem o poeta.
Se um for pouco
chamem um enxame.
Não importa que mais chamem
do que amem o poeta.
Chamem o poeta!
Chamem o poeta!



MULHER (em Sopro nos Poros . Ed. Tchê! / 1985 )

Não chore na frente de um homem.

Não adore a fronte de um homem.
Só atenda, pelo próprio nome.

O que lhe negar, dele tome.
Não baixe a cabeça, na frente de um homem.

De frente, com fome, coma esse homem.
Devore-o, com a força de seu abdômen.

Não aceite lugar atrás de um homem.
Nunca esqueça, as sombras se somem.

3 comentários:

Põe Zinha disse...

Muuuuuuuito Lindo!

Beijocas,

Natacha Orestes

Anônimo disse...

Eta poeminha bom!!!!
è só com igualdade que a gente vai conhecer o amor real!!
Vivam as mulheres fortes ê ê ê e os homens com visão...
Parabéns

Anônimo disse...

Eta poeminha bom!!!!
è só com igualdade que a gente vai conhecer o amor real!!
Vivam as mulheres fortes ê ê ê e os homens com visão...
Parabéns